O berço da família Magalhães na Serra da Ibiapaba e na Piracuruca

Capela de Nossa Senhora da Soledade do Siupé

Magalhães trata-se de um nome com raízes toponímicas, que terá sido tirado da torre desta designação, na freguesia de São Martinho do Paço-Vedro, termo da Barca. Parece que esta família provém de Afonso Rodrigues de Magalhães, senhor daquela torre e que vivia em 1312. Era raçoeiro do Mosteiro de Tibães e do seu casamento com D. Alda Martins de Castelões teve descendência que deu continuidade ao apelido. Dentre aquela, será de salientar o indómito nauta Fernão de Magalhães(1).

De acordo com o historiador tianguaense João Bosco Gaspar, a origem da família Magalhães da Serra da Ibiapaba se dá em Siupé – São Gonçalo do Amarante-(CE), onde em 5 de março de 1738 foi realizado o casamento do capitão Antônio Rodrigues Magalhães e Quitéria Marques de Jesus, tronco secular da família Magalhães no Ceará.

Ele filho do coronel Luís de Oliveira Magalhães (natural de Sergipe d’El Rei) e Isabel Gonçalves, natural do Rio Grande do Norte. Ela filha do sargento-mor Antônio Marques Leitão (natural de Óbidos, Portugal) e de Apolônia da Costa, natural do Ceará.


Brasão: De prata, três faixas xadrezadas de vermelho e prata, de três tiras. Timbre: um abutre de sua cor, estendido e armado de ouro. Outros Magalhães usam: escudo esquartelado, sendo os primeiro e quarto de prata, uma árvore arrancada de verde, e os segundo e terceiro de azul, uma cruz de ouro florenciada e vazia. Timbre: a árvore do escudo (1). 

Os Magalhães da Serra da Ibiapaba e consequentemente de Piracuruca, descendem do casal Inácia Maria do Nascimento (filha do capitão Antônio Rodrigues Magalhães), nascida em 1748, casada com Antônio do Espírito Santo de Oliveira Barcelos (filho de João de Oliveira Barcelos e Rosa Maria Barcelos).

Referências:

1 – Fonte: https://portalpiracuruca.com/sobrenomes/magalhaes/