Memorial Polidoro de Brito, o primeiro museu rural do Piauí está no povoado Saco dos Polidórios

A localidade Saco dos Polidórios, distante cerca de 70 km da sede do município de Brasileira é um próspero e tradicional povoado piauiense ladeado pelas Serras da Ibiapaba e dos Matões, antes pertencente à cidade de Piracuruca, o Saco dos Polidórios passou a fazer parte dos limites da cidade de Brasileira a partir da emancipação deste município em 1993.


Curral de gado e as carnaúbas, elementos fundamentais na formação do povoado, ao fundo a Serra dos Matões.

Caracterizado pelos grandes descampados e antigos casarões, além de ser destaque na apicultura, ovinocultura, cera de carnaúba, festa dos vaqueiros e em feiras relacionadas a produtos oriundos da agricultura familiar, o Saco dos Polidórios apresenta o primeiro museu rural do Piauí: É o Memorial Polidoro de Brito.


Os grandes descampados são a paisagem típica do lugar, um pasto vasto no período chuvoso


Registros de alguns dos casarões existentes no povoado


Casarão sede do Memorial Polidoro de Brito

Eu e o ambientalista Nonato Araújo, estivemos no último 6 de julho, fazendo os registros para o documentário a ser exibido no canal Check-in Aventura (www.checkinaventura.com), recepcionados pela Sra. Marilene de Brito, fomos apresentados à riqueza histórica que serviu de base para a construção do Memorial que é um importante acervo pertencente à família Polidoro de Brito.


Dona Marilene Brito, que nos apresentou o Memorial


Momento de gravação do Documentário para o Canal Check-in Aventura

O memorial foi inaugurado em 16 de junho de 2018 e teve como idealizador e financiador o Sr. Francisco Lacerda Brito, neto do Sr. Polidoro de Brito Castelo Branco e filho de Antonino Polidoro e Maria dos Santos. Francisco Lacerda e seus irmãos disponibilizaram o memorial para a comunidade.

O projeto recria o cenário da Fazenda Saco dos Polidórios, fundada em junho de 1928, e mostra a riqueza da vida no campo, marcado pela lida com o gado e pela extração da cera da carnaúba. A inauguração do espaço marca os 90 anos da fazenda e eterniza a história da família através de um acervo fotográfico, documentos, móveis e vestimentas de época. Além disso, o memorial, possui uma sala digital, que oferece aulas de reforço e de informática para a comunidade.


Símbolo do Memorial Polidoro de Brito

O antigo casarão sede da fazenda foi reerguido para abrigar o acervo. Com uma arquitetura de ambiente cuidadosamente planejada por uma equipe de profissionais, o ambiente físico do antigo casarão foi adaptado para mostrar em cada cômodo as peculiaridades históricas dessa importante família do norte piauiense.

Na varanda temos um cartão de visita representando a principal atividade familiar que era a lida com o gado, onde são apresentados painéis com o nome do patriarca e de cada um dos 14 filhos: Antônio, Zeca, Matias, Cinhara, Caetano, Carlota, Manoel, João, Princesa, Luiza, Antonino, Francisco, Raimundo e Chagas com o símbolo dos seus respectivos ferrões.


Varanda do memorial com painéis homenageando cada membro da família

Uma quitanda estilizada com a arquitetura e produtos de época, uma cozinha com forno, fogão a lenha e alguns utensílios, uma sala de jantar apresentando a disposição dos pratos na mesa com fotos de cada membro da família, o quarto do casal ornamentado com os elementos de época como: rede, urinol, oratório, baú e uma vasta coleção de documentos e cartas expostas.


Quitanda com produtos de época

     
Cozinha e utensílios


Mesa disposta conforme a posição de cada um dos membros da família no momento das refeições


Documentos expostos

No centro da casa encontramos uma grandiosa árvore genealógica da família até a terceira geração e alguns recipientes de cerâmica como antigos potes, outras salas são destinadas para homenagear as mulheres do sertão, com exposição sobre a carnaúba, e em outra com os vaqueiros onde podemos ver a sua vestimenta e instrumentos da lida com o gado.


Árvore genealógica da família Polidoro de Brito


Homenagem ao vaqueiro

Além da parte histórica, o Memorial Polido de Brito promove ações voltadas para a comunidade, com entretenimento, danças, cinema e proporcionando a inserção digital em uma sala específica para estudo com computadores e internet. Já na parte externa, 14 carnaúbas são expostas e representam um valor afetivo que simboliza cada um dos filhos do Sr. Polidoro de Brito Castelo Branco e Dona Maria Rosa Castelo Branco.


Biblioteca, computação e entretenimento


Sr. Polidoro de Brito Castelo Branco e Dona Maria Rosa Castelo Branco

Entre tantos objetos que marcaram o passado da família Polidório e do Povoado destacamos uma carta enviada ao Sr. Polidoro de Brito Castelo Branco, datada de 1930, a carta teve como remetente o Sr. Lucas Meneses, convidando o então patriarca dos Polidório para a posse do prefeito da cidade de Piracuruca que ocorreu em 27 de outubro daquele ano.


Carta de Lucas Meneses que foi prefeito de Piracuruca entre os anos de 1934 a 1939 quando morreu tragicamente vítima de acidente automobilístico na cidade do Rio de Janeiro.

Outro episódio que marcou o povoado foi a construção em 1948 da Capela em devoção a São João Batista, construída como fruto de uma promessa feita pela matriarca Dona Maria Rosa Castelo Branco ao obter a cura do seu filho João, após ser desenganado pelos médicos.


Capela de São João Batista, datada de 1948. Os festejos de São João Batista ocorrem de 14 a 24 de junho e atraem uma grande quantidade de pessoas ao povoado.


Área externa do Memorial Polidoro de Brito

O documentário estará disponível em breve, para acompanhar as produções do Canal Check-in Aventura acesse: www.checkinaventura.com e inscreva-se.

Um outro artigo sobre o povoado Saco dos Polidórios foi escrito por Reinaldo Coutinho e está disponível em:

O interessante povoado Saco dos Polidórios