Hermínio Conde, um notável piracuruquense

Na Piracuruca do início do século passado nasceu Hermínio de Morais Brito Conde, precisamente no dia 18 Março 1905, filho de Hermínio dos Santos Conde (23/07/1879 – 19/08/1906) e Azulina de Moraes Brito (03/08/1882 – 06/08/1938). Hermínio pai, era natural de Passo do Camaragibe – Alagoas, após estudar no Rio de Janeiro, veio para o Piauí exercer o ofício de telegrafista, fixando residência em Piracuruca. Aos 30 de março de 1901 casou-se com Azulina de Moraes Brito. Era escritor e poeta, colaborou na imprensa piauaiense, deixando várias poesias e traduções. Sabia latim, francês e inglês.

Já Azulina, que passou a assinar Azulina de Brito Conde era filha de Pedro Melquiades de Morais Brito e Carlota Coelho de Brito, era portanto, neta de Gervásio de Brito Passos (Senador do República). Hermínio e Azulina tiveram cinco filhos: Josephina Conde, Linda Conde, Augusto Conde, Herminio Conde e Pedro Conde. Hermínio pai faleceu jovem em 19 Agosto 1906, aos 27 anos, quando Hermínio filho tinha pouco mais de um ano. Em uma família de notáveis piracuruquenses, aqui escrevo algumas linhas sobre Hermínio de Morais Brito Conde.

HERMÍNIO CONDE (IMAGEM MAIOR, ACIMA) E SEUS IRMÃOS, NA ORDEM, A PARTIR DA ESQUERDA JOSEPHINA CONDE, LINDA CONDE, AUGUSTO CONDE E PEDRO CONDE.
AUGUSTO CONDE FORMOU-SE EM ENGENHARIA, VIVEU E FALECEU EM MINAS GERAIS. PEDRO CONDE ERA O MAIS NOVO, FOI MAGISTRADO, JURISTA E PROFESSOR. FOI PROMOTOR PÚBLICO, JUIZ DE DIREITO, PROCURADOR DA FAZENDA, DESEMBARGADOR. PRESIDIU O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL E O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PIAUÍ.

Hermínio de Moraes Brito Conde foi médico, cientista, poeta e jornalista. Formou-se na Bahia e fez especializações em Lisboa, Paris, Viena e Berlim. Dirigiu o Instituto Benjamim Constant, no Rio de Janeiro e o Centro de Pesquisas Oftalmológicas, também foi professor do Departamento Nacional de Saúde. Foi o inventor do aparelho coagulador para o tratamento do tracoma, onde curou milhares de tracomatosos. Homem de ciência, filantropo, estudioso, consciente da verdade médica. Hermínio, apoiado na autoridade que lhe deu fama em congressos internacionais, sustentou que a higiene dos olhos é fator de economia social e de cultura. E foi além, difundiu ensinamentos rigorosos para a prevenção da cegueira, contra a qual lutou toda a vida, clamando pela educação do homem na consciência ocular, a fim de que os olhos não fossem fonte de torturas físicas e morais.


HERMÍNIO DE MORAES BRITO CONDE – FOTO 1


HERMÍNIO DE MORAES BRITO CONDE – FOTO 2

Escritor e cientista, Hermínio se pôs a serviço da medicina com seus dons de inteligência a bondade. Nunca arrefeceu da sua luta pela saúde dos olhos. Revelou-se um educador de pensamento, servidor da medicina social, de que se tornou profissional a sacerdote para promover a felicidade de seus semelhantes. Pertenceu à Academia Piauiense de Letras, investigou temas históricos, publicando estudo cívico intitulado “Cochrane, Falso Libertador do Nordeste”, além de “Meninos Delinqüentes” e destaque para o obra “A Tragédia Ocular de Machado de Assis”. Hermínio casou no Rio de Janeiro em 1931 com Nilsa Conde, as informações que obtive é que eles tiveram uma filha, faleceu no Rio de Janeiro em 28 de novembro de 1964, aos 59 anos, vítima de infarto no miocárdio. Hermínio Conde dá nome a uma escola em Piracuruca e  a uma rua no Bairro Tabuleta em Teresina.


ESCOLA HERMÍNIO CONDE EM PIRACURUCA

————————————
Referências (pesquisa em 17 de setembro de 2019):
Dicionário Histórico Biográfico Piauiense
https://www.geni.com/people/Hermínio-dos-Santos-Conde
http://caveab.blogspot.com/2011/
http://acervoatitofilho1.blogspot.com/2011/02/outro-herminio.html
http://augustobritoomemorialista.blogspot.com/2016/