Coelho

Rodeia as origens desta família toda uma série de lendas que a credulidade de inúmeros genealogistas e a passagem dos séculos tonaram difíceis de desfazer.
A verdade, porém, é que elas nasceram da fértil imaginação de João Soares Coelho, trovador e vassalo de D. Afonso III, tendo por base o desejo de aquele algo modesto fidalgo se engrandecer, a si e à sua ascendência, através da adaptação a um antepassado de uma fábula que, originariamente, lhe era estranha.
João Coelho era, com efeito, descendente por via bastardia de um dos filhos bastardos de D. Egas Moniz «de Riba-Douro», e terá decidido transformar-se e aos seus representantes daquela linhagem, apesar de não terem herdado nem sequer um dos seus únicos bens patrimoniais.
Para tanto, chegou a maquilhar o momento funerário de D. Egas Moniz, para o decorar com cenas da aventura que lhe atribuíra. Heraldicamente, no entanto, aquele trovador deixou marcada a sua diferença em relação aos verdadeiros ramos da descendência legitima de D. Egas Moniz.
Os Coelhos descendentes de Duarte Coelho, e que tendo sido capitães de Pernambuco, originaram os Albuquerques Coelho do Brasil usam armas diferentes, que àquele foram concedidas por carta de 6 de Julho de 1545.
A Nicolau Coelho, piloto e navegador que comandou a caravela Bérrio da frota que sob o comando de Vasco da Gama fez a descoberta do caminho marítimo para Índia, foram também concedidas armas novas.
Brasão: De ouro, um leão de púrpura, armado e lampassado de vermelho, carregado de três faixas xadrezadas de azul e ouro; bordadura de azul, carregada de cinco coelhos de prata, malhados de negro.
De Duarte Coelho: de ouro, um leopardo passante de púrpura acompanhado à dextra de uma cruzeta de negro, sustida de um monte de verde em ponta; chefe de prata, carregado de cinco estrelas de seis raios de vermelho, postas em faixa; bordadura de azul, carregada de cinco castelos cobertos de prata, aberta e lavrados de negro. Timbre: o leopardo do escudo.
De Nicolau Coelho: de vermelho, um leão de ouro armado, e lampassado de azul, sendo cada padrão rematado por um escudete de azul, carregado de cinco bezantes de prata postos em aspa.
Timbre: o leão do escudo.

http://genealogia.netopia.pt/

(Acesso em 2005)


Voltar